Escritor português inaugura "bimestre literário" em Foz do Iguaçu 24.07.2013

Escritor português inaugura

Gonçalo M. Tavares, sobre quem José Saramago vaticinou que um dia ganhará o Prêmio Nobel, fará sessão pública sobre sua obra no dia 20 de agosto e abrirá Semana do Livro.

 

A vinda de Gonçalo M. Tavares, um dos escritores mais consagrados da nova geração de autores portugueses, marca os meses de agosto e setembro como o bimestre em que a literatura será o grande destaque cultural em Foz do Iguaçu.

 

Gonçalo, que no dia 20 de agosto fará uma sessão pública sobre sua obra e a literatura em geral, fará também o pré-lançamento da Feira Internacional do Livro de Foz do Iguaçu, programada pela Fundação Cultural de Foz do Iguaçu para o período de 30 de agosto a 8 de setembro.

 

Nos próximos dois meses, haverá lançamento de livros, aula-show sobre o poeta Paulo Leminski e ainda a Semana Literária & Feira do Livro, que o Sesc realizará simultaneamente em 23 cidades paranaenses, incluindo Foz do Iguaçu.

 

Diálogos de Fronteira

 

Quem traz o escritor Gonçalo M. Tavares a Foz do Iguaçu é o projeto Diálogos de Fronteira, do Instituto Polo Iguassu, patrocinado pela Itaipu Binacional. Ele vem acompanhado da mulher, a artista plástica e ilustradora Rachel Caiano, e dos três filhos do casal. A família fica na cidade durante uma semana, de 19 a 27 de agosto.

 

O primeiro compromisso de Gonçalo será a sessão pública “Livros, Cultura e Poder”, em que abordará sua própria obra e a literatura contemporânea. Data e local - 20 de agosto, 19h30 – já estão acertados, mas ainda falta a Fundação Cultural de Foz do Iguaçu definir o local do evento.

 

Nos dias 21 e 22, o escritor português ministrará o curso-oficina “Escrita, Ideia e Imaginação”, com 20 vagas para jovens escritores e pessoas interessadas em Literatura. A promoção é em parceria com o Ecomuseu de Itaipu, a Universidade Federal da Integração Latino-Americana - Unila e a Universidade Estadual do Oeste do Paraná - Unioeste.

 

Litercultura

 

A vinda de Gonçalo M. Tavares a Foz do Iguaçu foi facilitada pela participação dele no festival Litercultura, evento literário que ocorrerá entre os dias 16 e 18 de agosto, em Curitiba. Como a Itaipu Binacional é uma das patrocinadoras desse evento, Paulino Motter, assessor do diretor-geral brasileiro da empresa, Jorge Samek, conseguiu incluir a cidade na programação do escritor português, que terá depois outros compromissos em São Paulo.

 

Embora ainda seja pouco conhecido no Brasil, Gonçalo M. Tavares já tem mais de 30 livros publicados e é um autor consagrado no mundo inteiro. Como ele vem com a família, aproveitará para também fazer turismo em Foz do Iguaçu e região. “Receber um escritor desse nível é um privilégio para Foz. E, quem sabe, ele ajudará a divulgar ainda mais os nossos atrativos”, diz Paulino.

 

Futuro Nobel?

 

Gonçalo M. Tavares tem apenas 42 anos, mas alguns de seus livros já foram traduzidos e publicados em 45 países. Ele já recebeu os principais prêmios de literatura portuguesa, como o Portugal Telecom e o José Saramago, em 2005, e tem um de seus livros – “Jerusalém” – incluído na edição europeia da lista dos “1.001 livros para ler antes de morrer”.

 

Quando entregou a Gonçalo o prêmio que leva seu nome, Saramago disse que “Jerusalém é um grande livro, pertence à grande literatura ocidental”. E brincou: “Gonçalo M. Tavares não tem o direito de escrever tão bem apenas aos 35 anos (quando foi premiado): dá vontade de lhe bater”.

Saramago ainda vaticinou que, dali a 30 anos, Gonçalo levaria o Prêmio Nobel de Literatura, que ele mesmo recebeu, em 1988.

 

Na New Yorker

 

Como não há gênero literário em que se encaixe facilmente, Gonçalo costuma dividir seus livros em séries: O Reino, O Bairro, Livros Pretos, Enciclopédias, Blomm Books, Poesia, Estórias, Teatro, Arquivos e Investigações.

 

Sobre ele, a prestigiada revista literária norte-americana New Yorker publicou texto de Mark O’Connel, em que ele diz: “Seus livros podem ser sombrios e inquietantes, mas eles são, por esta razão, estimulantes da mesma forma que apenas o trabalho de um artista poderosamente original pode ser”.

 

E completou, afirmando que o escritor português, a exemplo de Kafka ou Becket, tem o dom “de revelar as maneiras pelas quais a lógica pode ser escrava tanto da loucura como da razão”.

 

Rachel Caiano

 

A mulher de Gonçalo, Rachel Caiano, que ganhou o Prêmio Jovens Criadores 2007 por seu trabalho como ilustradora, também tem compromisso em Foz do Iguaçu. No dia 23 de agosto, ela ministrará a oficina infantil “Eu desenho, os animais falam”, no Ecomuseu de Itaipu.

 

A atividade oferecerá 25 vagas para crianças de 9 a 12 anos, que vão aprender um pouco sobre a arte da ilustração e desenvolverão, junto com Rachel, a criação de uma fábula, em texto e desenhos. Esta iniciativa será realizada em parceria com o Programa Ñandeva.

 

Mais literatura

 

A programação literária de agosto e setembro, em Foz do Iguaçu, terá ainda outros destaques. No Ecomuseu de Itaipu, prossegue até 20 de outubro a Exposição “Múltiplo Leminski”, aberta ao público no último dia 12 de agosto, que recebeu mais de 16 mil visitantes apenas nos primeiros dez dias.

No dia 24 de agosto (data do nascimento de Leminski), José Miguel Wisnik dará uma aula-show sobre o artista curitibano, no auditório do Centro de Recepção de Visitantes de Itaipu.

 

Músico, compositor e ensaísta brasileiro, além de professor de Literatura Brasileira na Universidade de São Paulo e articulista do jornal O Globo, Wisnik voltará a Foz do Iguaçu para falar sobre a poética de Paulo Leminski, desde sua prosa em “Catatau” até seus poemas e canções, discutindo a singularidade desse “punk parnasiano” e “samurai malandro”.

 

A palestra será ilustrada com exemplos musicais. Wisnik interpretará ao piano algumas das composições de Leminski, de quem ele também foi  parceiro em diversas músicas.

Outra atividade paralela à Exposição Múltiplo Leminski programada para a última semana de agosto é uma oficina de hai-kais com a poeta Alice Ruiz que, juntamente com as suas filhas, Áurea e Estrela Leminski, fez a curadoria da exposição. O número de vagas e os critérios de inscrição ainda serão definidos.

 

Lançamentos na Feira do Livro

 

Entre 30 de agosto e 8 de setembro, durante a Feira Internacional do Livro de Foz do Iguaçu, estão previstos lançamentos de livros e tardes de autógrafos com autores. A programação está sendo finalizada pela Fundação Cultural de Foz do Iguaçu.

 

Os lançamentos já confirmados incluem o livro “Rebeldes do Paraná”, do paranaense Mário Hélio Gomes, e “Martín Fierro”, na tradução do também paranaense Ciro França.

 

“Rebeldes do Paraná” mostra como foi o movimento “Fora Collor” no Paraná e, principalmente, a ocupação da Reitoria da PUC pelos estudantes, em 1992. As duas manifestações ocorreram simultaneamente.

 

A ocupação, um protesto contra a sucessiva alta das mensalidades na PUC, terminou antes do “impeachment” do presidente Fernando Collor de Mello, que ocorreu 18 dias depois, em 29 de setembro daquele ano.

 

Martín Fierro

 

O poema “Gaúcho Martín Fierro” (ou, simplesmente, Martín Fierro), do argentino José Hernández, foi publicado pela primeira vez em 1872 e é considerado quase como “o livro nacional da Argentina”.

O poema transformou o gaúcho, antes fora-da-lei, em herói do país. O curitibano Ciro França, já falecido, fez uma tradução primorosa da obra completa, que também será lançada em Foz do Iguaçu, durante a Feira Internacional do Livro.

 

Diálogos de Fronteira

 

Este ano, o projeto Diálogos de Fronteira já promoveu quatro eventos: Roda de Poesia, com Alice Ruiz; palestra da ativista e feminista turca Fatma Gök, que falou sobre equidade de gênero, etnicidade e educação no seu país; seminário “Entre o local, o nacional e o global: transformações contemporâneas nas políticas de governança educacional e justiça social”, com Susan Robertson, Roger Dale, Luís Armando Gandin, Jorge Anthonio e Silva e Armindo Moreira.

 

Promoveu, ainda, a oficina “Graffiti sem limite: poesia e arte de rua”, que trouxe a Foz os grafiteiros Marciel Conrado, Arthur Navarro, Rafael Tavares e Paulo Ito, em parceria com o Ecomuseu e com a WhoIs Produções, responsável pela Exposição Múltiplo Leminski.

 

Curta Iguassu

 

Além da extensa programação literária que vai movimentar a vida cultural de Foz do Iguaçu, os meses de agosto e setembro também serão animados pela realização do Curta Iguassu, uma maratona cinematográfica que deverá atrair participantes de vários países.

 

Lançado em 2012, este festival de filmes de curtas metragens é uma iniciativa do Polo Iguassu, com apoio de vários parceiros. O calendário e o regulamento do Curta Iguassu já foram divulgados. A competição será realizada na última semana de setembro.

 

“O segundo semestre começa com excelentes perspectivas na área cultural. Poucas vezes Foz do Iguaçu viveu um período de tamanha efervescência e agitação cultural. Algo de novo está acontecendo na nossa cidade”, conclui Paulino Motter.  

Más Noticias
ASOCIACIÓN
FOZ DO IGUAZÚ DESTINO DEL MUNDO | Política de privacidad | Sitio elaborado con Drupal 6.1 IMAM