Guia de Compras 2017-08-08T17:06:16+00:00

Foz do Iguaçu, Puerto Iguazú e Ciudad del Este formam um centro comercial gigantesco

Estar diante da possibilidade de atravessar fronteiras e passar a um país no exterior deixa muitos brasileiros ansiosos para fazer suas comprinhas de praxe. De fato, Foz é um destino perfeito para uma de nossas atividades favoritas. E não precisa sair da cidade para se deleitar com inúmeras opções de lojas e comércio a céu aberto que se somam ao JL Shopping, um espaço de 61 000 metros quadrados que abriga 140 lojas, quatro salas de cinema e um supermercado. As vitrines estão também pelas ruas: a Avenida Brasil, suas paralelas e transversais concentram grifes brasileiras e internacionais.

As muitas opções de compras em Foz

De todas as alternativas de compras que existem a céu aberto, a Avenida Brasil e suas transversais e paralelas, no centro de Foz do Iguaçu, possuem o maior número de lojas de marcas brasileiras e internacionais.

No JL Shopping, além das 140 lojas distribuídas pelos três pavimentos, existe uma variada praça de alimentação e quatro salas de cinema. As lojas funcionam das 10h às 22h, de segunda a sábado, e das 14h às 20h, aos domingos e feriados. As áreas de alimentação e lazer ficam abertas diariamente das 11h às 23h. Vale reparar nas promoções sazonais que dão até 70% de desconto em todas as lojas do shopping.

O traço mais peculiar das compras de Foz se encontra, no entanto, no artesanato. Tapetes, bolsas, colares, roupas, chapéus, redes e instrumentos de caça e pesca feitos por índios e artesãos dos três países chamam a atenção do visitante, vendidos em casas especializadas e feiras de rua. Os produtos não só são um excelente suvenir, como sua venda ajuda a economia local e ajuda a estimular o desenvolvimento dos artesãos brasileiros, argentinos e paraguaios.

Visitando tanto o Centro de Recepção de Visitantes de Itaipu quanto o Parque Nacional do Iguaçu ainda é possível encontrar coleções exclusivas de objetos artesanais, cuja renda obtida na venda é revertida para ações de proteção da biodiversidade local.

Nãndeva – ou os artesanos unidos da fronteira

Merece atenção especial o artesanato produzido pelo Ñandeva, programa de desenvolvimento do artesanato local que, com o apoio da Itaipu, vem buscando há dez anos o fortalecimento de uma identidade trinacional na região de fronteira entre os três países. A entidade teve como núcleo getor o Sebrae e o Parque Tecnológico Itaipu, onde se encontra uma de suas lojas – outra o visitante pode conhecer na Coart, a Cooperativa de Artesãos do Oeste e Sudoeste do Paraná.
Pratos de cerâmica com motivos de folhas, esculturas de animais indígenas com pirogravura, móbiles, caixinhas em marchetaria, almofadas em fibra de bananeira e xilogravuras são alguns dos bonitos objetos com o selo Ñandeva disponíveis nesses locais, bem como xilogravuras, fantoches e outros brinquedos feitos em tecido
camisetas ecoprint, canecas de bambu, ímas e outros suvenires.

SAIBA MAIS:
http://www.nandeva.org

Vinhos, couro, doce de leite e mais

Além dos produtos típicos que os brasileiros adoram – como deixar de comprar um alfajor ou um dulce de leche, por exemplo? – a cidade de Puerto Iguazú tem outros atrativos que justificam umas comprinhas por lá.

Situado um pouco antes da alfândega, o Duty Free Shop recebe os turistas com uma grande oferta de produtos estrangeiros. A depender da cotação do dólar, podem ser feitos bons negócios especialmente em perfumes e cosméticos, que ocupam boa parte do espaço bonito e bem organizado. Bebidas também costumam valer a pena, a preços praticados sempre em dólar, que por ali costuma ter um câmbio até menor que o de Ciudad del Este.
Pelo centrinho, o viajante encontrará roupas e artigos de couro, além de grande variedade de vinhos. Lojas especializadas como La Vinoteca de Don Jorge oferecem degustação e descontos de até 15% para quem paga em dinheiro – nossos reais, aliás, são bem-vindos. Na Oda Vinoteca, o forte são os vinhos mendocinos, ou produzidos na cidade de Mendoza. Rótulos para se lembrar: Rutini, Weinert e Catena Zapata.

Na feirinha da Avenida Brasil na altura da Felix de Azara ficam as delicinhas de comprar e degustar na hora, como empanadas, azeitonas, queijos, embutidos em geral e, claro, uma boa cervecita.

UMA EXPERIÊNCIA PARA TODOS OS SENTIDOS

Ver, ouvir e sentir na pele a névoa das Cataratas do Iguaçu é uma experiência que não se compara com nenhuma descrição prévia, nem mesmo com as melhores imagens em fotografias ou filmes que as retratam. Para conhecer de verdade as Cataratas o visitante torna-se testemunha de sua poderosa presença. A primeira sensação é causada ainda à distância, por seu canto penetrante. O estrondo contínuo cresce à medida em que se caminha em direção às quedas, até tornar-se uma vibração que se percebe com o corpo todo. A energia é muito grande. Iguaçu, ou “Água Grande” na língua tupi-guarani, é um espetáculo em todo o seu conjunto. São centenas de quedas ao longo de quase três quilômetros, em área protegida por dois parques nacionais que unem Brasil e Argentina. O olhar não dá conta de tanta grandiosidade quando se está diante do mais espetacular dos saltos desse conjunto, a Garganta do Diabo, uma queda em forma de ferradura, que despenca pesada e ruge pelos ares para ressurgir no alto. Na forma de névoa fina e fresca, desenha arco-íris no céu e flutua na direção dos turistas na passarela, molhando-os por alguns minutos e impressionando sua memória para sempre.

De tudo um pouco – e muito barato!

Shopping centers e lojas ocupam a maior parte da área central de Ciudad del Este, fazendo do destino o terceiro centro comercial mais movimentado do mundo, atrás apenas de Miami e Hong Kong. Por ali o turista brasileiro precisa se cuidar para não ficar atordoado com a imensidão de vitrines, lojas e ofertas.

Ícone de toda uma geração acostumada com a fama dos importados paraguaios, a galeria Monalisa tem sete andares e milhares de artigos, divididos por seções de perfumes, relógios, eletrônicos, roupas. Vale mais a pena comprar ali do que de ambulantes – a procedência dos produtos é mais confiável. Para chegar, deixe-se guiar pela figura imponente da própria Gioconda estampada em dimensão gigante na fachada.

O endereço certeiro dos eletrônicos é a Alfonso I. Se for comprar eletrônicos , exija o catálogo e a garantia, além, é claro, da nota fiscal. Se algo for recusado certamente é porque o aparelho foi trocado de embalagem ou está com defeito (teste sempre antes de levar).
Para grifes, a boa é seguir pela Avenida San Blás, onde estão os melhores shoppings – um deles tem a SAX, doze andares voltados ao segmento de luxo.

Lembre-se: o turista brasileiro pode adquirir, sem impostos, 300 dólares em compras no Paraguai. Se a compra superar esse valor, haverá taxação sobre o excedente.

Espaço gourmet no alto da torre

Começando pelo próprio setor de compras, onde Monalisa e Sax diferenciam-se das demais por conta de suas amplas instalações e presença de algumas das mais conhecidas grifes de luxo, consolida-se uma tendência de serviços sofisticados e diversão que vão muito além das compras. Os primeiros dez pavimentos da Sax são dedicados a moda, beleza, arte, design e estilo de vida, com destaque para setores especializados em ótica, decoração e vestidos de noivas. No décimo-primeiro e no décimo segundo andares fica o Sax Palace, um amplo mezanino com pé direito alto, balcões, escadarias e convidativas opções gourmet. Esse espaço onde com frequência se realizam eventos, festas de aniversário e de casamento, abriga um bistrô que serve algumas das mais bem elaboradas preparações libanesas da tríplice fronteira, uma pizzaria, caviar e sushi-bar, ampla adega com centenas de rótulos e a Al Rifai, loja especializada em nozes, amêndoas e outros acepipes desidratados trazidos diretamente do Líbano. Finalmente, há um Cigar Club, com dezenas de opções de charutos cubanos, que podem ser degustados num confortável salão herméticamente fechado e separado dos restaurantes.
SAIBA MAIS
www.sax.com.py

Plaza Jesuíta

Não muito distante dali, mas já de volta à cidade, no bairro Terranova (na altura do KM 8 Monday, Ruta 7, Ciudad Del Este), fica o shopping Plaza Jesuítica. Nesse shopping aberto, com corredores ao ar livre, lojas organizadas de frente para ruas cenográficas oferecem dezenas de grifes globais de moda, além de restaurantes e cinema. Para o turista interessado em presentes com um toque local, artesanato, arte e design paraguaios, a dica é visitar a Jacarandá Arte Popular Paraguayo, onde é possível encontrar peças únicas, com temática, desenho e acabamento que se distinguem de tudo o que se vê em lojas semelhantes na região.

www.facebook.com/Jacarandá-Arte-Popular-Paraguayo

Um pouco mais retirado de CDE, em meio a uma exuberante reserva florestal, fica o Museu Moisés Bertoni, o naturalista suíço que descobriu o adoçante estévia e que, entre muitas outras atividades, fez prosperar uma editora de livros técnicos que funcionava em plena selva no início do século 20. O melhor acesso é feito por lancha a partir de Foz do Iguaçu.
SAIBA MAIS!

Restaurantes e noite

Na região central de CDE, entre o Parque Jose Asuncion Flores e o Lago de La República, é possível encontrar alguns restaurantes de cozinha variada. Destaque para o bom italiano Belsit di Giorgio (esquina da Avenida Rogelio Benitez com Avenida Lago), com massas, carnes e cardápio de trattoria. (Veja mais em Restaurantes). Completa a cena dessa Ciudad Del Este que fica muito além da muvuca uma animada vida noturna, com baladas que se estendem até o amanhecer, na Coyote, hoje a maior discoteca da tríplice fronteira, e na Bambuddha, com sua trilha sonora eletrônico-asiática. (Veja mais em Vida Noturna)

City-tours partindo de Foz do Iguaçu cobrem algumas dessas atrações (como o Salto Monday), além de outras, como a catedral, a mesquita e o museu com objetos da cultura guarani.
http://blog.citytourfoz.com.br/tag/city-tour-em-ciudad-del-este/
http://www.loumarturismo.com.br/passeios-em-foz-do-iguacu/1/city-tour-ciudad-de-este

As operadoras em Foz do Iguaçu também organizam visitas customizadas para quem quer conhecer melhor CDE.

Receba nossa Newsletter